fbpx

Não é de hoje que falamos sobre a importância da construção de uma marca sólida, que consiga, ou possibilite você passar pelas mais variadas intempéries de uma crise. Mas pelo que temos visto, isso não tem sido levado muito em consideração. O que tem resultado em muito prejuízo para alguns empresários, para além dos que a crise já tinha anunciado.

Não é de hoje que algumas empresas vêm tomando algumas linhas que fazem com que elas se tornem o centro das atenções, fazendo com que empresas de menor porte no segmento tornem elas exemplo a serem seguidos.

Em meio a tantas, uma delas é o MADERO, a começar pelo seu slogan: “The best burger in the world”, leia-se em bom tupiniquim “O melhor hambúrguer do mundo”. Foi fundada em 2005, pelo Chef Júnior Durski. Não demorou muito tempo até o restaurante ganhar os moldes de franquia e ganhar seu espaço entre as grandes do território nacional. Com um investimento pesado em propaganda, a franquia de restaurantes começou a ganhar o apreço de seus consumidores de forma geral com suas mais de 200 unidades pelo território nacional.

Outra empresa que tem ganhado os mais diversos olhares é a rede de lojas varejista Magazine Luiza, fundada em 1957, na cidade de Franca interior de São Paulo por Luiza Trajano Donato e Pelegrino José Donato, além de uma forte presença de comunicação a marca tem se destacado pelo seu pioneirismo em inovação e tecnologia em suas plataformas digitais, o que faz dela um dos maiores e-commerces do brasil atualmente, sem contar as mais de 1000 lojas físicas.

Com a chegada da pandemia do COVID-19, vários segmentos se colocaram em alerta para os possíveis danos que tal momento poderia levar até as empresas, o que fez com que muitos de seus proprietários ganhasse notoriedade por expressar sua opinião, na maioria das vezes dúbias, sobre as medidas recomendada pelo conselhos mundiais. Como vocês já devem ter percebido, essas duas empresas citadas anteriormente não foram escolhidas por mero acaso, elas foram duas das que mais ganharam notoriedade em meio a crise.

A primeira delas, nos deu um exemplo de como não agir diante uma crise, transportando suas ideologias pessoais para sua marca, e assim sujeitando a mesma a um golpe severo do júri popular presente na vasta internet. Já a segunda, nos dá um exemplo de humanidade e de como conversar com o seu público, como apresentado na pesquisa feita pela ESPM Rio, e divulgada no dia 26 de maio de 2020 pelo b9.com.br .

Para além de qualquer crítica ou coroa de louros, quero chamar atenção de todos para um ponto, a Avaliação de Riscos na tomada de uma decisão, no planejamento e na contenção de crises essa é uma das fases que pode apontar se sua marca/empresa passa ou não pela tormenta. Agilidade não pode ser sinônimo de imaturidade, tem que ser sobre ouvir.

Por fim, antes de seguir qualquer exemplo ou tomar uma figura como herói, escute o que o meio em que você está inserido diz.

Antes de ser um influenciador, seja um exímio administrador

Na maioria das vezes você não precisa de tudo isso para ter seu lugar ao sol.

One thought on “Se expor ou não, eis a questão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *